Quem sou eu

Minha foto
Apenas um humano comum entre outros, que pensa como o mundo pode ser paradoxal.

domingo, 18 de dezembro de 2016

O despertar




Sabe aqueles dias que você acorda, vai ao banheiro, abre a torneira da pia, a água com baixa pressão correndo entre seus dedos, aquele frescor de lavar o rosto que acabará de alongar com os primeiros raios de sol e os assovios dos pardais? Um dia comum, um dia de semana, mas era sábado, pois é, me retirei do conforto da água corrente que faz indagar o quão bom a natureza, mesmo encanada, é bela. O café já estava pronto, tomei minhas duas xicaras e levei a terceira para a escrivaninha onde trabalho, tinha um artigo para entregar sobre um autor inglês, o semestre de literatura estrangeira estava me matando, principalmente quando o autor tem sobrenome de Bacon, deixo claro para quem está lendo meu diário, é o Francis não o Kevin.

Já ouvia a badalas dos sinos da igreja do bairro, era o fim da tarde e nada como um dia de pesquisa, terminar a filosofia no bar. Olhei para a janela e vi as nuvens cinzas do preludio que uma à ventania e uma boa chuva chegaria, mas nada me impediria de finalizar o meu dia de “ensaios”.  Fui até um pub próximo, tomando aquela brisa nas bochechas como um apaixonado entrega um beijo a sua amada sabendo que a noite vai ser especial, pedi uma bela cerveja e um lanche do chef. Não liguei para o evento que teria, naquela noite, mas foi especial. Não me importo com estilo musical principalmente num pub, então dos textos da Inglaterra para a músicas atuais, que daqui 10 anos vão ter um grande valor. Bebi, flertei, me diverti e retornei.

Nada como deixar a chave cair entre os dedos, enquanto as gotas da chuva pingam da testa para as pálpebras, ao me levantar vejo que a luz do meu quarto está acessa, achei estranho, ele disse: estranho; você não vai escrever isso, entrei em casa, imaginei, que poderia ter deixado a luz acessa antes de sair, ‘poderia’ anote isso, entrei no meu quarto nada anormal, ‘anormal’, essa foi a melhor desse dia, ele não viu a mancha de sangue no próprio travesseiro!?.

Fui ao banheiro e abri a torneira da pia esperando aquele frescor da água corrente percorrer novamente em minhas mãos, ouvi um sussurro ao invés da água, ergui a cabeça e vi o espelho quebrado, um pequeno fragmento que se sustentava estava oxidado, fechei os olhos e abri novamente, e lá estava o espelho quebrado, olhei ao meu redor, senti o cheiro do abandono, o que estava acontecendo!? “Abandono? Sério que você escreveu isso? Você se acha tão inocente que não tem noção da sua volta”

Andei por toda a casa, nada havia nela, somente a porta do meu quarto estava fechada e ao chão com a poeira e detritos um pedaço de faixa amarela com a escrita “crime”. Abri a porta, nesse momento eu sabia que nada disso era real, era um sonho, um pesadelo, um devaneio da minha mente. O quarto estava intacto, da mesma forma que eu tinha visto minutos atrás, olhei para os corredores onde meus pés estavam e da mesma forma destruídos pelo clique do tempo.

Fui até a janela e ao abrir ela o céu estava cinza e a brisa trazia folhas de papel queimadas, um fragmento veio direto em minha direção e impresso estava: “ensaios – Bacon”. Me sentei ao pé da cama com aquele pedaço de papel amassado entre meus dedos, tentando compreender o que estava acontecendo. Não sei se foi minutos ou horas, ‘anos’, e gralhas estavam no muro, murmurando como pessoas naquelas fofocas que falam mal de alguém. Ao encostar minha cabeça na cama logo me levanto ao bater a mesma em o que seria um pé gelado.

Olhei com medo e a adrenalina subindo em minhas veias, era o corpo de uma garota, deveria ter seus 25 anos, linda, porém, ao notar o pescoço havia marcas de mão.... Ela foi sufocada em minha cama?! “Sim, ela foi”, olhei com espanto para a porta do quarto, e como num espelho me vi encostado com olhos frios me auto observando, e perguntei por que eu faria isso, nem ao menos conhecia ela. “Conheceu, a noite inteira, aliás ela era uma boa pessoa, você ao contrário, não posso dizer o mesmo”, nessa hora uma das gralhas voou para o quarto e roubou um dos belos olhos azuis da moça. Sai correndo do quarto, a casa destruída, abri o portão da frente e sai sem olhar para trás.

Me vejo na frente do bar, entro e peço uma cerveja e o lanche do chef, algumas horas passam, e olho na minha solitária mesa, outro eu, sentado observando a pista e o palco onde a banda começava a passar o som, lá estava ela, a moça. Começo a suar frio, porém estou estático só observando, meu outro ergue a mão, anota num pedaço de papel, algo que não consigo ler e guarda no bolso, o garçom vem e ele pede um bloody mary para ser entregue a moça. Escuto o barulho da chave caindo ao chão, e uma risada suave e gostosa de fundo.
O que está acontecendo?! “Você é inteligente, aliás seu texto teria sido um 10, e não consegue descobrir por si só? ” 'Inteligente, assassino, mentiroso’. Eu nunca mataria aquela menina! 'Inteligente, assassino, mentiroso’ Eu matei ela?! Falei alto enquanto entrava no quarto, acompanhando ela, vejo uma mancha de sangue no travesseiro e ao lado do criado mudo o abajur quebrado, ‘mas você sufocou ela, não? Não, sufocamento foi antes, ela adorou o coito, você por outro lado...’ Quem é você?! O que está fazendo, o que fez comigo?! Olho para traz e vejo a luz do escritório acessa e uma criança passa correndo... onde estou?! E nisso outra gralha passa na minha frente e escuto:

- Mãe, você deixou o computador ligado?

- Não, filho por que?

- Tem um texto aqui, e tem um cara na outra porta me olhando.

Passos rápidos se aproximando da sala, no monitor um arquivo de texto aberto: Ensaios por ... o monitor se apaga, as lâmpadas explodem, o céu era cinza, chuva, chave.

~~~Esse é apenas um conto que veio a minha cabeça e decidi escrever, espero que tenham gostado!


  

Pulmão Estrelar

Uma grande estrela vermelha
Uma grande estrela amarela
Uma estrela que não é estrela

Um dia que é escuridão
Uma noite e um clarão
O tempo inverte a razão

Não é apenas um suspiro
Não é aquele ritmo
No passo dos ponteiros
O destino é traiçoeiro

Ando por ai observando
Realidade que é solidão
É apenas uma função
Da razão e do coração

Abster-se de tudo
Ignorar a todos
Apertar um botão
e começar de novo

Cada vez que negativamos
nosso envolto é uma névoa
é um dia de escuridão
é uma estrela que não é

Olhar para a noite escura
ver as estrelas e a vermelha
Olhar para o dia claro
E ver a estrela amarela

Solidão é como um vento
Que sopra, nos afeta, refresca
Mas é passageiro

terça-feira, 12 de abril de 2016

Ode a Donzela da Água

“Nas névoas da alvorada,
A singela esposa aguarda,
O veraneio da espada
Com velas retocadas...

Esperava pelas manhãs
A esperança do marinheiro
Encontrar seu tesouro
Para seu cruzeiro

A maré escura
Os olhos ressacados
Avistam a longe
O esposo amado

A volta é traiçoeira
Doente ele ficara
Porém ele teria
Sua querida amada

No quarto mês do retorno
As gaivotas que cantavam
Sucumbiram num estrondo
A porta estava sendo batida
E um enorme choro

Uma criança, um bilhete
Um filho, uma traição
A esposa o tomou em mãos
E não a quis não!

Tremenda raiva que tinha
Sua sombra sobressaía
Seu esposo teria que partir
E o seu bebe... ela cuidaria?

Anos se passaram,
Seu marido não voltara,
As gaivotas cessaram
e bateram na sua porta

Uma mulher linda,
A flor mais bela
Carmesim era sua bochecha
E olhos de sereia....

Ela veio para a esposa
Desculpou-se pelo ocorrido
Queria ver seu filho
Um prometido sirenídeo
Pasma, desacreditada
Era a sensação da água
Acordando do pasmo
Seu sonho retratado...

Nada mais tinha,
Esposo e filho
A maré a convidara
Para um exílio

Seu salto foi cantado
Em plena lua completa
A canção de ninar
Era sua marcha

As águas frias
O último vislumbre
Uma lágrima de sereia
“seu marido está vivo”

Lamúrias nas noites
É a canção da agonia
A donzela da água
Assombra na procura
De seu amado.

E no fim seu amparo
É a música de um eterno bardo
Que carrega seu fardo

Em noites de agrado!”

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

For you

How we feel the true feelings?
An expert shall say that
Not at all, isn't real
A thing that you show and may be a lie

I'm a lie, am i?

Love is just a word, not a feel
Only show by the truth words
Vanquishing ilusions of mind
Exterminating our doubts

You came and make me feel
Only a reaction about your words
Unstable strings that conect us

A ilusion that i saw every minute
Is your smile,your eyes, your worlds?
Shall I truely have you?
Hana , flower, asnwer me.
I deserve you? My soulmate, after I
Troubling your feelings?
Exotic is our bound,
Real are my feel
U are my love

quarta-feira, 19 de março de 2014

O Fim da Jornada!

O horizonte escurecia enquanto
um velho e sua tirania
seguia em seu caminho
assim como o mundo que tinha

Nas suas costas, o peso
a dor, o sofrimento
Em suas mãos,
o derradeiro sacrifício.

O resto do dia e as nuvem circulando
numa espiral em constante movimento.
Almas alegres e tristes que
trilharam seu caminho nesse mundo.

Ao fim da colina, uma grande visão
seu objetivo enfim ele chegou
uma pintura e a memória
isso que ele carrega

A loucura o chama.
A resistência é insana.
As pétalas voam em dança.
A canção é doce e encanta.

Um tiro rasga o céu
O pistoleiro avança
Olhos rubros do céu o profanam
As escadas o espera

A vida nasce, cresce,
gira as espirais e a juventude,
as amizades e os erros.
A Vida recomeça de novo.


- Dizemos obrigado, Sai!

A Torre Negra Sai Roland Chegou!

E assim expresso meus sentimentos a uma grande obra que me faz/fez pensar sobre muitas coisas na minha vida. Obrigado Sai King.

terça-feira, 2 de julho de 2013

Estrela do poeta sonhador

O sonhador segue seu caminho
as estrelas brilham como guias
mas a bruma da perdição
intervém a seus olhos

Sua poesia é distorcida
as estrelas somem ao seu olhar
a bruma começa a tornar forma
e em sua volta, o mundo desaba

As palavras ao eco são atitudes
a estrela dá seu ultimo brilho
a bruma é um chacal
e avança em impeto

O sonhador fala calado
a estrela desaparece
o chacal a acompanha
e leva consigo a emoção

O caminho se torna escuro
As palavras confabulam na mente
a mente fica estagnada
o sonho acabou.

A bruma, a estrela e o chacal
escurecendo, brilhando e retalhando
o poeta sofrendo,
tenta poetizar

Voltar para o caminho iluminado da estrela
um poema para estrela
assim ele pensa
é melhor evitar...













sábado, 25 de fevereiro de 2012

RPG: Hidden Shrine Of Tamoachan; Kalka-Kylla e a maldição de Tloques-Popolocas

Após o árduo combater com espíritos guerreiros, nossos aventureiros caminham sobre a única rota que é possível de prosseguir a exploração. Em um corredor escuro logo bem iluminado, pelo anão Krystd, eles se deparam com um corredor cheio de estacas de bambus pontiagudas em suas laterais, Nit e Mognyr usam de suas habilidades e de suas experiencias de furtividade e destreza para passar por ele, porém no meio do caminho eles caem repentinamente. Orryn, Bulwark e Hogar começa a empunhar suas armas e destruir o corredor de bambus, Keira diz que eles só estavam dormindo, provavelmente um encanto arcano ou algum tipo de veneno que esse bambus cotiam e que em questão de meia hora eles acordariam.

Assim seguindo em frente com a exploração, eles se deparam com uma grande sala, de chão lamacento, com a tocha ao centro se tem um rochedo em forma de crustáceo e outros pequenos rochedos em volta também com a mesma forma. Quando Bulwark avança sobre a sala, um pequeno barulho de garras atacando o mesmo o surpreende, logo a grande estátua da divindade do mar e das água de Tamoachan se revela, após troca de golpes e frases sem sentido, Kalka-Kylla se apresenta falando o linguajar comum com boa performance e conta aos aventureiros o que o fez estar ali e não vagando pelas águas do rios e mares como costume.
"Foi uma maldição que Zotzilaha, o deus do submundo Olman, me impôs; ele e meu povo que me traiu!" -disse Kalka
Após isso, os aventureiros perguntam para o mesmo as rotas de saída para foram dessa tumba ao mesmo tempo que eles perguntam sobre tesouros, Kalka os aponta e diz o que sabe.
Da sala lamenta eles tomam o caminho a Leste. Um novo corredor com uma curta a esquerda mais a frente, na parede um grande bloco de mármore branco, Bulwark e Hogar o empurram, mostrando caminho a uma ante-sala e uma cripta; Porém um gás venenoso estava aprisionado na porta, mas nada acontece com eles. Com a tocha em mãos Krystid segue em frente e vê algumas vasos ao lado de um caixão com desenhos tribais aberto, típicos olman. Ao fundo da sala uma imagem de um guerreiro usando uma máscara, e um machado enfincado.

Um barulho ocorre na sala e assim, o guerreiro do desenho ataca o grupo usando das sombras a sua vantagem, num momento a magia de Keira foi tão forte que fez o vampiro recuar, e então recuperando-se Tloques-Popolocas, assim como o anão conseguiu destinguir nas imagens e escritas é gravemente ferido. A batalha dura alguns minutos e o Olman cai, assim como seu machado que Bulwark o pega, e logo sente um grande poder e uma maldição. Ao sacar sua espada novamente ela cai ao chão e em seu lugar o grande machado de Tloques está empunhado.

E agora o que acontecerá com os aventureiros de tamoachan, que pela frente tem um lance de escadas soterrado, e dois amigos na ante sala de Kalka ?

Até a próxima.

Bulwark - Human Fighter - 10570 xp
Hogar - Half Orc Barbarian - 10570 xp
Keira - Half Elf Sorcerer - 10570 xp
Kyrstd - Dwarf Artificer - 10570 xp
Mognyr - Gnoll Druid - 10150 xp
Nit - Changeling Assassin - 10150 xp
Orryn - Gnome War Priest -10570 xp

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

RPG: Hidden Shrine Of Tamoachan [Prologo]

Trata-se de um post novo nesse blog, a algum tempo estou mestrando algumas campanhas de Dungeons e Dragons 4th e a seguir uma crônica sobre a aventura.
Essa campanha é baseada na cultura mesoamericana, com influências e seu calabouço principal uma antiga piramide nomeada Tamoachan, que faz parte da cultura Olman [Fictícia desse rpg].

Um grupo de aventureiros encontra ao longo da cidade de StormCity, folhetos para uma missão aonde a recompensa não era informada, na velha taberna de Barba Negra, Baca Lhau era o responsável em anotar e explicar informações sobre a missão. Então o grupo de aventureiros composto por um humano guerreiro , Bulwark ; um meio-orc barbáro , Hogar; uma meia-elfa feiticeira, Keira ; um artifice anão, Kristyd; um gnoll druida, Mognyr; uma changeling assassina, Nit, e um gnomo sacerdote de guerra, Orryn; são unidos abordo do Português Barbudo em rumo ao seu destino. O oceano astral os espera, porém Keperhan , o capitão do navio, em uma das noites de viagem, revela seus planos e as recompensas... ele etá em busca de um artefato lendário nas ruínas de Asgarotof e trazendo isto para ele tudo o que o grupo achar perteceriam aos mesmo... então, os homens passam os dias trabalhando nos trabalhos mais arduos enquantos as garotas, cozinhando e tecendo roupas.
Após um mês e dias de viagem, uma forte tempeste atinge o barco, logo após um espião de Barbosa, ser desvendado e jogado ao mar pelo próprio capitão, a embarcação sofre e ao amanhcer se encontrm com alguns problemas, madeiramento rachado por rochedos, falta de suprimentos, então o grupo de aventureiros tem que trabalhar em busca de mantimentos para a tripulação, andando por 3 horas consecutivas perdidos ao meio de mangues e pantânos, o grupo é atacado por nativos, uma chuva de lanças e uma linguagem primitiva é o que se tem nessa hora, o céus começam a se fechar, a terra tremer, um tipo de musica é entoada num dialeto nunca ouvida ou que se teve conhecimento no momento, o chão estremece cada vez mais, ao longe era possivel a visualização do templo o qual o druida tinha observado um pouco antes do ataque, eis que a fenda os engole.
O grupo cai e se encontra num lugar totalmente escuro, tochas são acessas, e estatuas que mostram a cultura de um povo são exibidas ao clarear do fogo. Atrás da estatua principal, representando a guerra e caça, uma porta de rocha e o unico caminho, Kristyd começa a observar as estatuas, a agricultura, a caça, o ritual, a criação e a religião, tudo ali esculpido, essa civilização antiga, provavelmente perdida... Ele pega uma estatua antes que Keira pudesse avisar que sentia uma energia magica nelas, num lugar onde cheiro de poeira e putridão que faz qualquer um sentir enjoo, um espirito guerreiro projeta-se da estatueta e parte para o combate, o memso espirito convoca mais 2, semelhentes para a batalha. O grupo sofre algmas dificuldades em atingi-los porem com esforços, conseguem derrota-los, na estatueta tinha uma chave esculpida.
A mesma após retirada da ceramica em volta, era dourada, se encaixava perfeitamente na porta pesada que Hogar não teve sucesso em abrir com sua força... a porta abre e revela, uma escuridão e um corredor...

O que será que os esperam a frente?!

Continua...

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

365 dias passados e a experiência

A maior parte das pessoas começam o ano com expectativas boas, desejos e votos de felicidades saúde, dinheiro sorte no amor, e é assim que as gerações e os naos vão passando criando essa imagem.
Em 2010, eu uma conversa com meu alter-ego decidi mudar minha maneira de ser, não posso reclamar que boa parte do que eu fiz para meu bem próprio tenha falhado, porém alguns objetivos durante essa caminhada talvez tiveram seu sucesso...
Novas amizades, que me mostraram outras situações de vida, convivio e atitudes que refletiram a maneira a qual vivo, à aqueles que sabem, minha ajuda foi dada, à aqueles que não precisaram, eu não me envolvia.
Vi que ser uma máscara com uma cara feliz =D e ser bom, atrai muitas pessoa na qual nenhuma é 100% confiante e reciproco à você... eu poderia dizer tranquilamente: "até tu Brutus?!" para elas que nem merecem mais olhar para minha pessoa que só a falsidade que anda com elas faz com que eu seja um cego e imagino ser apenas uma pedra no caminho.
Sofri esse ano, como um humano normal que sou, um pouco paradoxal a minha mente, princiaplmente em 2 momentos que de uma maneira ou outra faz com que esse gigante de ossos aprenda a crecer mais em sua vida social.

Aos meus amigos que leem e aos meus amigos de verdade, desejo que não só de comemorações se passe a virada de ano, e sim que pensa em cada dia as ações que vocês fizeram e que farão com as expectativas do ano que vem...

Irei em busca do meu sonho e do meu caminho, assim se o destinho permitir...

Abraços , Feliz 2012

sábado, 27 de agosto de 2011

Poemas Nostálgicos III

"Ah! Se o tempo parasse
mesmo se fosse um minuto
mudaria o destino,
no qual você, com seus falsos olhos
colocaria ao meu lado

E quando o tempo voltasse
o atraso que causei
seria um lapso de memória
na qual apagaria todas as lembranças
que você compartilhava com aquele

E para repor o tempo parado
só teria uma saída
passar o resto dos seus anos
com o resto da minha vida."

by Soket ; in 22/09/2007

sexta-feira, 1 de julho de 2011

Dando uma geral

Olá curiosos do meu querido blog nostálgico. Estou escrevendo esse post hoje um pouco mais feliz, claro entrar de férias faz qualquer ser universitário relaxar a cabeça, bem pelo menos por alguns dias, pois sim irei estudar nessa férias...

Minha bolsa da faculdade foi aceita e então ganharei minha primeira remuneração da vida... mas para isso irei estudar uma cratera de meteorito aqui pertinho de nós: Mato Grosso.

Entretanto, nesse post irei salientar salientando que minha vida desde o ultimo post ( show do Motley Crue ) foi alterada entre tempo, espaço e realidade...

Vi que nem tudo o que você imagina ser real e verdadeiro, seja... vi pessoas desmoronando e eu desmoronei também... O pensamento que tudo caminha bem quando você está bem é valido até a realidade começar alterar aquilo que você imagina o destino perfeito... suas ações se tornam diferentes... você mesmo sabe disso; os outros irão dizer: "Você está bem?" - sabendo da resposta.

Realmente esse semestre e esse momento foi uma evolução do ser humano chamado Wellington... ele aprendeu que mesmo confiando nas pessoas... às vezes elas te enganam e se mostram falsas... ou seja, mesmo tentando pisar na tabua firme, esse gigante caiu da ponte...

Mas é a vida, o que seria de um ser humano que não desfrute das coisas amargas da vida social?
Enfim, novos laços do que chamamos de amizade foram adquiridos... a balança busca o equilíbrio...

"Changes - Black Sabbath "


quinta-feira, 19 de maio de 2011

Shout, Shout, Shout at the Mötley [ 2011]

Mais um evento histórico para as gerações futuras e para os curiosos que irão ler esse post daqui 3 semanas do cataclisma mundial chamado... fim dos tempos!

Nessa terça passada dia 17/05/2011 estaria pela 1ª vez fazendo um show pelo brasil, uma banda dos anos dourados do hardrock : Mötley Crue ;

Caras pintadas , Sutiãs voando , Peitos a mostra , Gente com mais de 3 litros de alcool no corpo, um frio do inferno em São Paulo, e o show, expetacular!

Os clássicos dos clássicos dele que fizeram a turma se bater pular e gritar em frenezi, numa terça feira a noite , especial para mim e para minha amiga que tinhamos uma prova no dia seguinte!!!

Shout Shout at the devil folks!

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Happy Happy Helloween and Stratovarius ôôô!

Helloween e Stratovarius , Stratovarius e Helloween...
Duas bandas que foram a minha porta de entrada no heavy metal nos meados dos meus 14 anos de idade que ficava em casa ouvindo the offspring jogando crazy taxi no meu sega dreamcast...
O local desse banquete musical era o credcard hall ... lugar que também foi a porta de entrada dos shows que já vi (Avantasia 2008) e que ainda irei ver (Mötley crue [terça dia 18/05 e Judas Prist [provavelmente].

A van foi sensacional... meus amigos de velha guarda um tirando com a cara do outro, relembrando momentos engraçados e etc foi o aquecimento para o show... ao som de Dio [holy diver live] e Hammerfall [ Best of 10 years]

Depois de 3 horas sentados na fila, pondo papo em dia... entramos na pista aguradando o show perfeito, para mim de ambas as bandas... e exatamente como previsto.... às 22 hrs...

STRATOVARIUS

Banda Finlandesa.... o que se espera dos filandeses... heavy e power metal!!! Eu estava meio ansioso enquanto ao show, não fui procurar a set list que eles tocaram em curitiba... então espera uma exibição dos ultimos projetos... me enganei completamente... Polaris e Elysium [ que não peguei para ouvir] teve presença, mas e os clássicos.... foram completamente excepcionais....
eu e provavelmente o resto do publico entrou em euforia cantando os clássicos como Phoenix e Haunting High and Low .... mas a musica deles que mais marca o Stratovarius para mim é Paradise !!

"Like the birds in the sky
We are flying so high
Without making any kind of sacrifice
We've got so little time
To undo this crime
Or we'll lose
Our paradise"

E para fechar a clássica Black Diamond.
Formação atual:
Timo Kotipelto (vocal) ,
Jens Johansson (Keyboards) ,
Matias Kupiainen (guitarra),
Jörg Micheal (bateria),
Lauri Porra (baixo)

Set list Stratovarius :
Stratovarius:
01. Infernal Maze
02. Eagleheart
03. Phoenix
04. The Kiss of Judas
05. Winter Skies
06. Under Flaming Skies
07. Paradise
08. Darkest Hours
09. Speed of Light
10. Hunting High and Low
11. Black Diamond
Fonte: whiplash.net

HELLOWEEN
A criadora, a fonte de inspiração outras bandas, a alemã Helloween... cara, não sei como começar a descrição de uma das mais perfeitas bandas que ouvi e ainda ouvirei na minha vida.
Falo, que nos ultimos albuns eu parei de acompanhar a banda gambling with the devil, o unarmed e Sinners ... não parei para ouvi-los da mesma maneira que escuto os keepers 1 e 2....

O show começou, e não podia acreditar, era a primeira vez que eu ouviria eles ao vivo e ter a oportunidade de vê-los tocando, era mais um sonho de um fã de heavy metal se realizando... ainda com a abertura do Sinners, "Are you metal?" Eu gritaria Yes i'm pqp''''

Os clássicos do helloween foram aos poucos aparecendo... Future World , Eagles Fly Free , I Want Out : a trinca do power que todos sabem as letras e acompanham em qualquer ocasião, isso foi fato.
A música que marca o show para mim foi concerteza Ride The Sky , só mesmo quem procura saber as musicas da banda e sabe quais são os clássicos para a sua própria vida... sabe o que significa essa música, para mim é um hino que nunca esquecerei.

Ride the Sky

Much too long I've been a prisoner here
The hour has come to break out
Shackled and chained almost goin' insane
It's better to live on the run
Set me free, set me free


Send me a sign, wanna leave it all behind
I'll be leaving the hands of doom
Rearrange the master plan, take the future in my hands
To be free and not trapped anymore

Ride the sky, Ride the sky
Give me wings to fly, Ride the sky

I have to think for myself and then act
In conformity of my own thoughts
No one should tell me what's wrong and what's right
Why don't you leave me alone
Set me free, set me free.

Forever and One (Neverland) acústico foi sensacional, umas das faixas que marcam o The Time of the Oath, e o fim do show com Dr. Stein .... "growing funny creatures..." e concordo... sou uma delas.

Agradeço esse show ao Richard e todos que colaboram para o ingresso desse show, que foi um presente especial de aniversário adiantado... Meus sinceros abraços!

Formação atual:

Micheal Weikath (guitarra),

Andi Deris (Vocal),

Markus Grosskopf (baixo),

Sascha Gerstner (guitarra),

Dani Loeble (bateria)

Set List:
01. Are You Metal?
02. Eagle Fly Free
03. Steel Tormentor
04. Where the Sinners Go
05. World of Fantasy
06. I’m Alive
07. You Stupid Mankind
08. Forever and Ove (Neverland)
09. A Handful of Pain
10. Keeper of the Seven Keys/The King for a 1000 Years/Halloween
11. I Want Out
12. Ride the Sky
13. Future World
14. Dr. Stein

(fonte by whiplash.net)

Abraços! \m/_


quinta-feira, 28 de abril de 2011

A arte da comunicação

Olá a todos os meus seguidores novamente! que acompanham meus textos, meus paradoxos e enfim minhas criticas que sempre espero que sejam lidas, por alguem do espaço chamado Mundo, ou se preferir Terra.

O título desse post é meio que uma visualização do que eu estou observando e participando desde o começo de janeiro. Os meios de comunicação via net veio como um boom principalmente com a criação do Orkut, era a pergunta mais frequente da escola: "ou você tem orkut? como tá seu profile?" e você que não tinha um computador ou não sabia o que era olhava com cara de cachorro esperando você lançar a bolinha....

Mas os old que acompanham sabe que a comunicação via net começou bem antes, eu não posso falar muito pois a época que eu começei a minha digitalização de informação foi meio tardia... já existia o Icq que estava perdendo lugar para o Msn, e ainda lembro de criar uma conta no Mirc, aposto que 90% que frequenta esse blog já entrou no mirc ou ainda entra as vezes...

O mirc foi o primeiro local que pude fazer amizades on-line pessoas do sul, do norte e nordeste, conversando dos mais diversos assuntos, e como um bom nerd falando de cavaleiros do zodiaco ( santo #cdzforever) além de entrar no #rio_claro e tomar uns kicks as vezes...
Eu e meus colegas de rua criamos até um clã! umcanal no Brasnet chamado #dark_angels ... bons tempos...

Ai vem o orkut, adiciona o primo o vizinho os 35 colegas de escola, a namorada do seu melhor amigo, a pessoa que vc viu no evento de rock, ou no baile junino da escola e assim vai... qdo vc para pra ver tem umas 400 pessoas que vc conhece mais fala com 50 no máx?
E assim vai a roda da comunicação, no ultimo ano a febre é o @twitter , para alguns uma merda de rede social, outros não conseguem viver sem...

Minha sincera opinião é que o twitter é uma ferramenta simples e que caiu bem a certas necessidades, como divulgações e passagem de informações ; alem de ser uma saida para as mensagens de celular que saem como free...

Eu posso dizer que me arrisquei ao twitter a conversar com pessoas que dificilmente eu falaria, e sinceramente hoje não me arrependo; conheci [mesmo algumas ainda sem detalhes] muitas pessoas que abriram o leque de possiveis atividades que eu em qualquer dia sem tar fazendo nada me animar. Com isso agradeço a inclusão digital, tanto nas comunicações como nas confecções dos meus trabalhos da facul !!

Abraços!!!
E vocês são fodas!

domingo, 3 de abril de 2011

Scream Tour 2011 - Ozzy Osbourne

Voltando a escrever no blog... Agora com assuntos do cotidiano vivido, sofrido e chuvoso [ uma dos fatos naturais de ontem].
Logo depois do famoso April's fools day ou 1º de abril, rolando mentiras a solta pela sociedade que nos outros dias do ano só dizem a verdade [Aham Claudia senta lá], veio o dia 2...
O que tem de mais num dia 2?
R: é mais apenas um dia comum de todo o ano
Verdade, menos nesse...
Vamos aos fatos... as 21:27 a lenda, o príncipe das trevas, Ozzy Osbourne estaria pisando no palco do Anhembi em São Paulo, levantando 30 mil pessoas do chão só de se aproximar do pedestal e do microfone.
Bark At the Moon começou o que foi um dos melhores shows da minha vida sem duvida...
Os clássicos do Black Sabbath e dos álbuns de Ozzy em solo em mistura às garoas, pancadas e tempestades de uma cidade repleta de cultuadores de uma boa música, reunidos juntos para agradar um ícone do mundo da música aos seus 62 anos de idade...

Posso afirmar que não me arrependo de maneira nenhuma de ter ido ao show, como eu sofri de ter perdido o majestoso show do Heaven & Hell , que não faria mais shows devido ao Deus Ronnie Dio que veio a falecer no ano passado ( #rip), então a minha memória se fez de ver Ozzy... não por ele somente, mas por esse rancor adquirido por um ano...

O momento de Puro alivio de tensão foi quando a sirene começou a tocar e um dos hinos do Sabbath entrava pelos meus ouvidos, era War Pigs .... uma das melhores musicas da noite de ontem na minha opinião sem duvidas... "oh lord yeah!!!"

Ontem é uma noite inexorável de esquecimento, mesmo que os contra tempos e a posição que as pessoas tomam podem mudar uma situação favorável e animada para uma desagradável.

Hail to Ozzy!